Novo relatório da EPA sobre impactos do fracking deve deixar você preocupado

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) acaba de lançar sua avaliação sobre a extração de gás natural – coal-seam gas mining ou “fracking” – e seu impacto sobre os recursos hídricos. E não é bonito.

Há ainda uma controvérsia enorme cercando a indústria de mineração de gás não convencional. O procedimento para a extração de gás natural (metano) a partir da Terra é chamado de fraturamento hidráulico, também conhecido como fracking. Isto implica perfuração profunda na Terra, geralmente abaixo de bacias de água subterrânea, e bombeando um enorme cocktail de produtos químicos misturados com areia para quebrar as formações de sedimentos subterrâneo, liberando assim o gás para a captura acima. Isto soa um tanto inócuo quando você fala desta maneira, mas a realidade está longe disso.

Fonte: wakeup-world.com
Fonte: wakeup-world.com

Nos Estados Unidos, a EPA lançou em Junho o seu projeto de avaliação feita ao longo cinco anos intitulado: Assessment of the Potential Impacts of Hydraulic Fracturing for Oil and Gas on Drinking Water Resources (Avaliação dos Potenciais Impactos do fraturamento hidráulico para Petróleo e Gás em recursos de água potável). O relatório confirma o que os ativistas, os denunciantes, cineastas documentais e moradores situados perto de locais de perfuração já sabiam – Fracking é uma má notícia para a nossa saúde e e o meio ambiente, e enquanto ele continua, há razão de sobra para preocupação.

A EPA admite agora que os recursos hídricos de águas subterrâneas e de superfície já foram contaminados por fracking: “Nós encontramos casos específicos em que um ou mais mecanismos levaram a impactos sobre os recursos de água, incluindo a contaminação dos poços de água potável.”

O relatório, no entanto, parece subestimar esta admissão chocante, dizendo que “o número de casos identificados é pequeno quando comparado com o número de poços fraturados hidraulicamente”. Esta é uma comparação pobre considerando que algumas fontes de água em municípios em todo os EUA têm centenas de poços de fracking em operação em cima deles.

O relatório também analisou as implicações do uso da água pelas operações de fracking. A maioria dos EUA estão atualmente sofrendo uma seca severa e fracking, se você já não soubesse, usa uma quantidade enorme de água. Considerando isso, de acordo com a avaliação há aproximadamente 30.000 novos poços por ano (2011-2014). Cada poço utiliza 5,7 milhões de litros de água por ano. Isto é, 171 bilhões de litros de água que nunca podem ser consumidos por uma criatura viva novamente depois que é usado no processo de fracking. Para os leitores australianos, representa cerca de 14,3% da capacidade da barragem de Wivenhoe, em Queensland, por ano, utilzados só na mineração!

As empresas de mineração nos Estados Unidos e ao redor do mundo sempre se valeram de campanhas, de ONGs e até mesmo porta-vozes do governo, incluindo o presidente Obama, para tranquilizar a todos que fracking é seguro e não representa uma ameaça às fontes de água e que a contaminação da água potável nunca aconteceu.

Você deve se lembrar que, em Queensland, na Austrália, uma grande empresa de mineração foi tão longe usando o grande astro da National Rugby League (NRL), Darren Lockyer, para tranquilizar a todos que fracking é seguro, eficaz e não representa qualquer perigo para os moradores em torno dos locais de perfuração.

Segura, eficaz e sem perigo … Onde já ouvimos isso antes? Parece que os gigantes da mineração estão usando a mesma propaganda da indústria farmacêutica.

A avaliação da EPA, infelizmente, não aborda as outras preocupações importantes sobre a indústria de mineração de gás não convencional. Nomeadamente a poluição do ar, a destruição da terra e da propriedade privada, os terremotos que cinegrafista e pesquisador Dutchsinse cobrem em grande detalhe.

A enigmática Erin Brockovich, cuja batalha legal contra a Pacific Gas and Electric (PG & E) foi a base do premiado filme Erin Brockovich, eloquentemente tem detalhados cinco tópicos importantes deste relatório …

Captura de Tela 2015-08-07 às 15.20.58

5 tópicos importantes do relatório da EPA

  1. Empresas de petróleo e gás querem que você saiba o menos possível sobre fracking. Este relatório da EPA não oferece nenhuma nova investigação sobre se fracking contamina o abastecimento de água. Em vez disso, ele se baseia em “dados e na literatura disponível”, incluindo inquéritos anteriores conduzidos por reguladores estaduais para a poluição da água relacionados com o fracking. A principal razão para isso é que as empresas de petróleo e gás fizeram de tudo para tornar impossível a coleta de novos dados. E elas foram capazes de fazer isso porque o Congresso e as administrações sucessivas as isentaram das regras federais sobre poluição.
  1. Oportunidades não faltam para o desastre. Uma coisa que o relatório da EPA faz é detalhe diante dos muitos riscos que as operações de fracking representam para a água potável, tanto acima quanto abaixo do solo, de misturar os produtos químicos do fracking para injetar os fluídos no poço para lidar com os milhões de litros de água tóxica e os resíduos radioativos. São tantos caminhos que algo poderia dar errado! Agora você sabe porque este relatório tem mais de 1.000 páginas.
  1. Fracking está acontecendo perto de onde vivemos. De acordo com a EPA, “entre 2000 e 2013, aproximadamente 9,4 milhões de pessoas viviam dentro de uma milha de um poço de fraturamento hidráulico.”
  1. Os lotes de fracking também estão acontecendo perto de nossas fontes de água. Novamente, de acordo com a EPA: “Cerca de 6.800 fontes de água potável para os sistemas públicos foram localizados dentro de uma milha, pelo menos, de um poço de fracking… Estas fontes de água potável abasteceram mais de 8,6 milhões de pessoas durante todo o ano em 2013.” Suponha que você teve a sorte de viver a mais de uma milha a partir do poço de fracking mais próximo? EPA: “. Fraturamento hidráulico pode também afetar recursos de água potável fora da vizinhança imediata de um poço”. Além do mais, a EPA ressalta que em alguns lugares, como Michigan, Illinois, Indiana e Kentucky, fracking acontece em águas relativamente rasas, onde “os recursos de petróleo e gás e os recursos de água potável coexistem na mesma formação.”
  1. O que eles não sabem poderia machucá-lo. Dos 1.076 produtos químicos utilizados no fracking que a EPA poderia identificar, a agência foi capaz de avaliar as propriedades toxicológicas químicas, físicas, de menos da metade. Destes, a maioria têm potencial de “persistir no ambiente como contaminantes de longo prazo”. Ótimo, mas como se muitos deles são potencialmente cancerígenos? A EPA poderia encontrar dados para cerca de 90 deles, mas preferiu encolher os ombros na burocracia quanto ao nível de exposição das pessoas aos agentes cancerígenos. Sentiu-se tranquilizado ainda?

Finalmente, Brockovich ofereceu esta soma; e eu não poderia ter dito melhor…

Nós não precisamos de 1.000 páginas para descobrir o óbvio. Nós não precisamos nem de 1.000 palavras. Aqui está o que sabemos: Fracking é um jogo nacional de roleta russa que coloca um recurso essencial – água potável – em risco todos os dias. Quanto mais cedo ele parar, melhor.

O que faz você pensar que é diferente no nosso próprio quintal?

 

Artigo publicado em 06 de Agosto de 2015

Autor: Lee “General” Maddox

Escritor convidado do Wake Up World

 

Fonte:

http://wakeup-world.com/2015/08/06/epa-releases-report-on-impacts-of-csg-mining-you-should-be-fracking-concerned/

Comente!

%d blogueiros gostam disto: