Maringá será a próxima cidade livre do FRACKING

 

Importante polo industrial e agropecuário da região Norte do Paraná, com segundo IDH do Estado, objetivo da cidade ao banir definitivamente o fraturamento hidráulico é evitar contaminação.

 

A Câmara Municipal de Maringá, Norte do Paraná, vota nesta quinta-feira, 15, o Projeto de Lei 13.986/2016 que proíbe a exploração do gás de xisto do subsolo por fraturamento hidráulico, tecnologia altamente poluente conhecida por FRACKING. Subscrita por todos os vereadores e em acordo como Executivo, a proposta será aprovada em primeira e segunda discussões e encaminhada para sanção.

 

maringá_wiki
Foto: Wikipédia

O PL proíbe outorga de água e emissão de alvará para empresas que forem explorar o gás de xisto do subsolo por Fracking, além de impedir o trânsito de caminhões com produtos químicos perigosos e a realização de testes para aquisição sísmica.

FRACKING é o método não convencional utilizado para a extração do petróleo e gás de xisto. Milhões de litros de água são injetados no subsolo a altíssima pressão misturados com areia e um coquetel de mais de 720 substâncias químicas, muitas delas cancerígenas e radioativas. Além dos impactos ambientais, contaminação das reservas de água e poluição do ar, a tecnologia também está associada a terremotos. Para extrair o metano, um hidrocarboneto sujo e perigoso, são feitas fortíssimas explosões na rocha do folhelho pirobetuminoso de xisto, provocando a instabilidade do solo. Em regiões onde há uma propensão natural a atividades sísmicas, os abalos são potencializados.

 

Assim com Arapongas, Maringá estará protegida dos impactos ambientais, econômicos e sociais do Fracking antes mesmo da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) vender o subsolo para a indústria dos combustíveis fósseis. Em 2013, o governo brasileiro vendeu blocos para exploração do gás de xisto que atingem 122 cidades do Paraná. A previsão é 154 outras cidades do Norte e Norte Pioneiro entrem na próxima rodada de licitações ainda sem data definida.

 

Ampla articulação
A sessão na Câmara está marcada para às 16 horas e contará com a participação de Reginaldo Urbano Argentino, presidente da Cáritas Paraná, membro da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida – e coordenador regional da 350.org Brasil.

“Fizemos uma ação, junto com outras entidades e movimentos sociais, para que Maringá fique livre do gás da morte que provoca destruição ambiental, contaminação da água, arrasa com a economia, polui o ar e mata as pessoas e animais”, alerta Reginaldo.

 

WhatsApp Image 2016-09-11 at 17.17.18

 

No último domingo, os participantes da Assembleia Arquidiocesana de Maringá puderam conhecer os riscos e perigos do FRACKING, tecnologia minerária que ameaça o Paraná e outros 14 estados brasileiros. Reginaldo fez uma palestra para capacitar e mobilizar os líderes religiosos, que assumiram o compromisso de levar para as paróquias e municípios as orientações passadas pela equipe da campanha Não Fracking Brasil. A ARA Cáritas e o Bispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, estão engajado na luta contra o Fracking na região.

 

 

Serviço:
Votação do PL que proíbe a extração do gás de xisto por FRACKING
Dia – Quinta-feira – 15.09.2016 –
Local: Câmara Municipal de Maringá
Horário: 16 horas
Contato: Reginaldo Urbano Argentino – 44- 9858-6431
reginaldo@350.org
Por Silvia Calciolari

Foto: COESUS/350Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *