FRACKING é tema na Semana do Meio Ambiente em diversas cidades brasileiras

No dia 5 de junho se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data foi estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1972 marcando a abertura da Conferência de Estocolmo sobre Ambiente Humano.

Nesse período são realizadas as Semanas do Meio Ambiente para discussões sobre a poluição do ar, do solo e da água; desmatamento; diminuição da biodiversidade e da água potável ao consumo humano, destruição da camada de ozônio, destruição das espécies vegetais e das florestas, extinção de animais, dentre outros.

FullSizeRender
Arca IV – Tela sobre óleo da artista plástica Lesiane Lazzarotti Ogg, que está em New York na exposição Earth sobre o meio ambiente. Lesiane e outros 32 artistas integram a Exposição ‘Arte Alerta’ que inaugura em 19 de Junho (Paraná) e integra a programação da Virada Climática de Curitiba que marca o início do Inverno. Imagem gentilmente cedida pela autora para a campanha Não Fracking Brasil.

 

Nada mais oportuno que falar de mudanças climáticas e da importância de abandonarmos os projetos perigosos e poluentes dos combustíveis fósseis para mantermos as condições para a vida no planeta. Para garantirmos a sobrevivência da humanidade e todos os seres vivos precisamos partir para a ação política de povos e países para aumentar a conscientização e a preservação ambiental.

Plaqueta NÃOFBRANCA2Nesta época, pessoas em várias partes do mundo debatem a proibição do fraturamento hidráulico, ou FRACKING, tecnologia altamente poluente, consumidora de água, intensificadora das mudanças climáticas e socialmente injusta usada para extração de do subsolo do gás de xisto (shale gas).

No Brasil, ainda não há exploração comercial pelo fraturamento hidráulico graças a ações liminares que suspendem rodadas de licitações feitas pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) em 6 dos 15 estados ofertados. Mesmo diante da mobilização popular e da sociedade civil organizada, a ANP insiste em fazer Fracking, realizando testes para buscar novas reservas de gás de xisto em todo o Brasil.

A COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil, em parceira com 350.org Brasil, Fundação Cooperlivre Arayara, Cáritas paraná, Repas, Ceará no Clima e centenas de outras entidades, leva informações à população, movimentos sociais e gestores públicos sobre os riscos e impactos ambientais, econômicos e sociais do fraturamento hidráulico.

Para aproveitar o Dia Mundial do Meio Ambiente, a campanha Não Fracking Brasil está realizando diversas ações para informar sobre o Fracking e seus perigos, mobilizando milhares de pessoas para a luta contra o método não convencional para extração do gás de xisto subsolo.

 

 

13393941_1144467545574753_3973966546271926938_n

Fortaleza (CE) – Ceará – Durante uma semana, os coletivos e movimentos socioambientais que integram o Fórum Ceará no Clima manterão um estande com material informativo sobre o Fracking, além de promoverem uma sessão de cinema do filme “Desobediência”.

No dia 07 de junho (terça-feira), às 18h30, no Cine São Luiz acontece a sessão de cinema do filme “Desobediência Civil”, seguida de debate. O evento é organizado pelo Ceará no Clima e pelo Movimento Ceará Agroecológico, articulações que agregam coletivos, indivíduos, organizações e pesquisadores/as e que atuam pela mudança nos nossos modos de vida, de produção e de consumo em defesa da sobrevivência do planeta e de condições de vida digna para as pessoas.

“Desobediência Civil” (Disobedience, no original em inglês) conta a história de quatro comunidades, em quatro países (Filipinas, Canadá, Turquia e Alemanha), que vivem a realidade de exploração de combustíveis fósseis em seus territórios.

 

 

WhatsApp-Image-20160604

Criciúma (SC) – Com o apoio da Cáritas Paraná, o fundador da COESUS e coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org, Eng. Dr. Juliano Bueno Araujo, participa do Seminário Regional do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social com representantes de movimentos sociais, religiosos e climáticos do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Segundo Juliano, estudos mostram que o gás de Xisto gera 5 vezes mais poluentes do que o carvão e estudos relacionam Fracking à seca, enchentes, furacões e terremotos, como os que aconteceram recentemente em Londrina, no Paraná, onde a prospecção de gás está no início.

“De Santa Catarina eles acabaram de receber o último estudo geológico encomendado pela ANP, que decidiu fazer a exploração nas areias betuminosas catarinenses”, alertou Juliano. Como Uruguai iniciou a produção deste gás, a região fronteiriça do Rio Grande do Sul também corre risco.

 

 

 

WhatsApp-Image-20160603

 

 

Pouso Alegre (MG) – O representante da COESUS, Renan Andrade, se reuniu com o vereador Rafael Huhn (à esquerda),  que de imediato aderiu à campanha Não Fracking Brasil.  Na próxima semana já anunciou que colocará em pauta na Comissão de Educação e Cidadania na Câmara de Vereadores e conduzirá as discussões sobre os problemas do Fracking e o projeto de Lei que proíbe esta técnica na cidade.

 

 

 

 

Curitiba

 

 

 

Curitiba (PR) – Reunião no Escritório Verde da UTFPR realizada na Sala “Jornalista e ambientalista Teresa Urban” para discutir as formas de ação do Movimento Ambiental de Curitiba para organizar e atuar no combate a tantas ameaças ao meio ambiente e às pessoas.

 

 

 

 

 

 

Cianorte3

 

 

Cianorte (PR) – Reunião na Câmara Municipal de Cianorte, no Paraná, reuniu lideranças para palestra sobre os riscos do fraturamento hidráulico que pode acontecer no Estado.

 

 

 

 

 

 

Umuarama (1)

 

 

Umuarama (PR) – Palestra no anfiteatro da Catedral, com a presença do Bispo Dom João Mamede e outras lideranças que integram a frente contra gás da morte. A cidade também organiza a Virada Climática, evento que discute os impactos das mudanças climáticas e como podemos evitar os seus impactos.

 

 

 

 

 

Maringá

 

 

Maringá – (PR) – Durante a abertura da Semana do Meio Ambiente realizada na Câmara Municipal de Vereadores, Sabine Poleza, representante da COESUS/Repas fez palestra para os participantes sobre os danos irreversíveis que o Fracking provoca no ambiente, contaminando a água, o solo e o ar, além de causar câncer nas pessoas e animais.

 

 

 

 

 

 

Fotos: COESUS/350Brasil/Parceiros

Comente!

%d blogueiros gostam disto: