Coalizão Não Fracking Brasil recebe apoio de líderes do Candomblé

Mais 150 representantes de todo país que integram a Associação dos Mestres e Maestros do Candomblé do Brasil (AMMCB) puderam conhecer os perigos que o faturamento hidráulico, o fracking, representa para a natureza e para o futuro do Brasil. Reunidos no último final de semana em Contagem, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, o evento teve como objetivo formalizar a criação da entidade, a única no país, com o objetivo de promover o Candomblé por todas as regiões do país.

mg2

 

Durante palestra, a Diretora da 350.org Brasil e coordenadora nacional da Coalizão Não Fracking Brasil, Nicole Figueiredo de Oliveira, mostrou os perigos para a biodiversidade e os impactos econômicos e sociais que o fracking tem provocado no mundo.

“Esta é a hora de nos unimos para evitar que fracking chegue ao Brasil e promova a contaminação das nossas águas, poluição do ar, eliminação das florestas, o fim da agricultura e prejuízos para a saúde das pessoas e dos animais”, afirmou Nicole.

Apoio

Segundo o presidente da Associação, Mobá Sidney, “a comunidade do Candomblé estará ao lado dos que lutam pela preservação da natureza, pois faz parte da nossa missão respeitar os quatro elementos – água, ar, fogo e terra”. Ao lado do vice-presidente da entidade, Kleber Carreira Tunberemim, Sidney garantiu o amplo apoio à campanha contra o fracking no Brasil.

Nicole Figueiredo de Oliveira, da 350.org Brasil, recebe o apoio do presidente da Associação de Mestres e Maestros do Candomblé do Brasil Mobá Sidney.
Nicole Figueiredo de Oliveira, da 350.org Brasil, recebe o apoio do presidente da Associação de Mestres e Maestros do Candomblé do Brasil Mobá Sidney.

Entre as ações programadas para os próximos meses estão a realização no próximo dia 04 de Outubro pela 350.org Brasil e Coalizão Não Fracking Brasil um dia de mobilização que contará com apoio de mais de 30 países para sensibilizar a população. É o Dia de Solidariedade à luta contra o fracking no Brasil para a exploração comercial do gás do xisto.

Outra ação está prevista para 7 de Outubro, quando a Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) pretende colocar à venda novos outros blocos de exploração por fracking.

No evento de Contagem, também foram discutidos temas como a linguagem do Candomblé, a história dos caboclos, a necessidade de proteção à natureza, tradições, ancestralidade e intolerância religiosa.

 

Comente!

%d blogueiros gostam disto: