The Guardian aponta gastos de milhões de euros das petroleiras na União Europeia em lobby

The Guardian aponta gastos de milhões de euros das petroleiras na União Europeia em lobby

O jornal britânico The Guardian publicou, recentemente, o impressionante dado dos gastos da indústria petrolífera em lobby na União Europeia. A cifra ultrapassa os € 251 milhões de euros desde 2010

As cinco maiores empresas de petróleo e gás, e seus grupos industriais, gastaram pelo menos 251 milhões de euros em lobby na União Europeia para tratar das políticas climáticas desde 2010, revelou uma pesquisa.

Os dados sobre a escalada do lobby das empresas petrolíferas e de seus representantes surgiu quando 200 organizações exigiram a criação de uma barreira em torno da política democrática para protegê-la da influência da indústria de combustíveis fósseis.

Declarações do registro de transparência da UE revelam que a BP, a Shell, a Chevron, a ExxonMobil e Total registraram gastos de € 123 milhões em lobby entre 2010 e 2018. Os dados são do relatório Corporate Europe Observatory, Food & Water Europe, Friends of the Earth Europe e Greenpeace, realizado por uma coalizão de ONGs. Treze grupos industriais do setor declararam ter gastado mais 128 milhões de euros no mesmo período. No total, entre 2010 e 2018, as empresas e seus órgãos da indústria de lobby gastaram pelo menos 251,3 milhões de euros em atividades de lobby junto a instituições.

Só o começo

Os pesquisadores dizem que o número representa a ponta do iceberg, já que em alguns anos as empresas não fizeram declarações de gastos no registro voluntário. O relatório também não examina os gastos de lobby de cada empresa em parlamentos e instituições nacionais.

A análise do registro público de reuniões da comissão europeia mostra que as empresas de petróleo e seus grupos industriais empregam 200 lobistas em Bruxelas, que mantêm 327 reuniões com altos funcionários da Comunidade Europeia desde 2014, quando Jean-Claude Juncker assumiu o cargo. Ou seja, mais de uma reunião por semana. Ao mesmo tempo, os lucros das cinco maiores continuaram subindo e ultrapassaram os U$ 82 bilhões em 2018.

Pascoe Sabido, pesquisador do Corporate Europe Observatory, disse: “Grandes poluidores como a Shell, a BP e seus grupos de lobby atrasaram, enfraqueceram e sabotaram as ações da União Europeia na emergência climática graças aos altos gastos com lobby. Um quarto legal de um bilhão na última década compra muito acesso e influência em Bruxelas.”.

A publicação vem depois de uma série de reportagem sobre poluidores produzidas pelo Guardian, que revelou que 20 empresas de petróleo e gás – incluindo BP, Shell, Chevron, ExxonMobil e Total – podem ser diretamente ligadas a um terço das emissões de gases de efeito estufa desde 1965. As empresas – que incluem multinacionais e empresas estatais – continuam expandindo suas operações e impulsionando a emergência climática, apesar de terem conhecimento há décadas do impacto devastador de sua indústria no planeta.

O relatório diz, ainda, que o lobby conseguiu atenuar a legislação climática da União Europeia. O lobby, também de acordo com o relatório, atinge o pico quando a legislação estava (está) sendo elaborada. As empresas de petróleo e gás e seus grupos industriais tiveram altos gastos em 2014 durante as discussões sobre as metas climáticas da União Europeia para 2030, quando gastaram 34,3 milhões de euros em lobby junto às instituições da União Europeia.

Resultados do lobby

Como resultado do lobby, a publicação conclui, as metas climáticas foram enfraquecidas na UE; não foi incluída, por exemplo, nenhuma meta vinculativa de economia de energia; mas foi incluída uma meta “lamentavelmente inadequada” de energia renovável.

O The Guardian revelou recentemente como a indústria automobilística e as grandes empresas petrolíferas são os influenciadores mais negativos na política climática de todas as 250 maiores indústrias pertencentes a investidores e suas associações comerciais.

As ONGs responsáveis ​​pelo relatório estão exigindo que a política seja liberada da influência dos combustíveis fósseis. Em uma chamada, apoiada por 200 organizações da sociedade civil, eles disseram que queriam o fim da indústria de combustíveis fósseis acessando a tomada de decisões. As ONGs estão pedindo:

– o fim das reuniões de lobby com representantes da indústria de combustíveis fósseis;
– o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis;
– o fim dos patrocínios ou parcerias com representantes do setor; e
– nenhuma relação entre escritório público e a indústria de petróleo e gás;

A chamada para a criação de uma barreira entre a indústria de combustíveis fósseis e a política democrática ocorre à medida que cresce a pressão na indústria de petróleo e gás. O Congresso dos EUA realizou uma audiência há poucos dias examinando os esforços da indústria de petróleo para suprimir a verdade sobre a emergência climática.

Nos EUA

Em Nova York, foi aberto um julgamento no Supremo Tribunal, examinando as alegações de que a ExxonMobil enganou seus investidores sobre as mudanças climáticas.

No Reino Unido, a BP e a Shell enfrentam uma reação crescente. Neste mês, a Royal Shakespeare Company anunciou que estava encerrando seu contrato de patrocínio com a BP, e o National Theatre disse que encerraria seu patrocínio à Shell no novo ano.

Confira a reportagem no link original.

Foto: greenandsave

Comente!