Assembleia Legislativa dá primeiro passo para proibir o FRACKING no Paraná

 

Em votação unânime, deputados paranaenses aprovam em primeiro turno a PEC 12/2015 que impõe autorização prévia do Legislativo para exploração do gás de xisto.

 

Dos 50 deputados estaduais presentes à sessão da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) desta segunda-feira, 12, 49 parlamentares (o presidente vota somente em caso de empate) votaram pela aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 12/2015 que determina a necessidade de autorização prévia do Legislativo para eventual extração de gás de xisto por fraturamento hidráulico, conhecido como FRACKING.

A PEC altera do artigo 209 da Constituição Estadual e atrela à Alep a autorização para a perfuração de poços para extração de gás do folhelho pirobetuminoso pelo método não convencional. A proposta deve voltar ao Plenário somente na próxima semana, quando será submetida ao segundo turno de votação, após um intervalo de cinco sessões.

WhatsApp Image 2016-09-12 at 18.13.23 (1)

 

FRACKING é a tecnologia utilizada para a extração do petróleo e gás de xisto. Milhões de litros de água são injetados no subsolo a altíssima pressão misturados com areia e um coquetel de mais de 720 substâncias químicas, muitas delas cancerígenas e radioativas. Além dos impactos para a biodiversidade, contaminação das reservas de água de superfície e aquíferos, poluição do ar e provocar câncer nas pessoas e animais, a tecnologia também está associada a terremotos.

Para extrair o metano são feitas fortíssimas explosões na rocha de xisto, provocando a instabilidade do solo. Em regiões onde há uma propensão natural a atividades sísmicas, os abalos são potencializados. Oklahoma, nos Estados Unidos vive uma epidemia de terremotos já comprovadamente associados ao Fracking.

WhatsApp Image 2016-09-12 at 18.13.23Para a diretora da 350.org Brasil e América Latina, Nicole Figueiredo de Oliveira, que acompanhou a votação, se os deputados querem mesmo proteger as reservas de água e a produção agrícola do Paraná devem proibir o Fracking de fora definitiva. “Não é com regulamentos, nem moratória que vamos estar a salvo dos impactos contaminantes e destrutivos deste terrível combustível fóssil”, alerta.

Nicole lembra que, assim como os outros Estados brasileiros que podem ser impactados pelo método não convencional, o Paraná também tem grande potencial para geração de energia limpa e renovável, “pois o Fracking é uma ilusão, um engodo, que troca água por energia, torna o solo infértil para a agricultura e pecuária e intensifica as mudanças climáticas. Não há nada que se aproveite nessa tecnologia”.

 

350.org é um movimento internacional que denuncia as mudanças climáticas e luta contra o Fracking nos Estados Unidos, Espanha, Austrália, Brasil e países da América Latina. No próximo final de semana, em Montevidéu, no Uruguai, será lançada Coalizão Latinoamericana contra o Fracking durante a Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana (Eurolat).

 

Fracking é perigoso

“Avalio que a atual mudança na Constituição do Estado do Paraná é um primeiro passo na direção da proibição do uso da técnica de fraturamento hidráulico, pois temos a certeza de que o único caminho seguro é o banimento”, afirmou Juliano Bueno de Araujo, coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org e fundador da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida.

Juliano lembra que dezenas de cidades paranaenses, representadas por seus vereadores e com intensa participação popular e das entidades, já disseram não ao Fracking. “São milhões de paranaenses que querem suas reservas de água saudáveis, terras produtivas protegidas, nossa biodiversidade e a vida das famílias a salvo dos males do FRACKING”, completa.

 

Preocupação com os impactos

Segundo o regimento da ALEP, agora a proposta de autoria dos deputados Schiavinato (PP), Fernando Scanavaca (PDT), Rasca Rodrigues (PV) e Marcio Nunes (PSD) deve esperar o prazo regimental de cinco sessões para ser apreciada em segundo turno. Na sequência, serão apreciadas as eventuais emendas à iniciativa que, caso venham a ser aprovadas, retornarão à Comissão Especial para elaboração da redação final. Aprovada a redação final, a Emenda será promulgada pela Mesa da Assembleia

Durante a votação da PEC 12/2015, os deputados autores da proposta enfatizaram a preocupação com os impactos da tecnologia para a produção agrícola, para os aquíferos e para a saúde das pessoas. Alguns deles viajaram para a Argentina em novembro do ano passado, a convite da COESUS e 350.org Brasil, para conhecer a realidade devastadora do Fracking no país vizinho.

maças chilenas livre do fracking (2)

 

 

Produtores argentinos realizaram há poucos dias um ‘frutaço’ na Plaza de Mayo, em Buenos Aires, distribuindo maçãs para a população em protesto contra a entrada no mercado interno das maçãs produzidas no Chile. Numa estratégia de marketing para diferenciar a qualidade das frutas, produtores chilenos passaram a indicar a origem ‘Apple Fracking Free’ e inundar o mercado interno provocando grande prejuízo a fruticultores da região.

 

 

 

 

 

Por Silvia Calciolari

Fotos: COESUS/350Brasil

Comente!