Movimento LIBERTE-SE DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS prepara grande manifestação em Umuarama (PR) contra o FRACKING

No próximo sábado, dia 14 de maio, a cidade de Umuarama no Noroeste do estado do Paraná será sede de uma grande manifestação do movimento LIBERTE-SE DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS e contra operações de FRACKING.

Das 9 às 10h30 horas de sábado, haverá uma marcha que sairá da Praça Miguel Rossafa, passará pela região central da cidade com destino à Câmara Municipal de Vereadores em apoio ao LIBERTE-SE e contra o FRACKING. A partir das 10 horas, os vereadores de Umuarama realizarão uma sessão extraordinária para votar e aprovar Projeto de lei encaminhado pelo Executivo que proíbe operações de fraturamento hidráulico no município. A marcha contará com a participação de lideranças políticas e religiosas, estudantes e professores, trabalhadores e agricultores, ativistas ambientais e sociais, parlamentares e população em geral.

Para garantir maior adesão ao movimento contra os fósseis e o FRACKING, acontece nesta terça-feira, 10, uma Conferência de Imprensa na Câmara Municipal. Em apoio às ações do LIBERTE-SE, o Bispo da Diocese de Umuarama Dom Frei João Mamede Filho, acompanhado do diretor da Cáritas Paraná Reginaldo Urbano Argentino e do vereador Diemerson Castilho participam da conferência. Além de lideranças religiosas e autoridades, também estarão presentes a diretora da 350.org Brasil e América latina, Nicole Figueiredo de Oliveira, e o fundador da COESUS e coordenador de Campanha Climáticas de 350.org, Eng. Dr. Juliano Bueno de Araujo.


LIBERTE-SE.ORG 

O movimento global LIBERTE-SE DOS COMUBSTÍVEIS FÓSSEIS está sendo articulado no país pela 350.org Brasil, COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil e pela Sustentabilidade -, Cáritas Brasileira Regional Paraná, Fórum Ceará no Clima e diversas organizações climáticas.
“Tomamos em nossas mãos o poder de mudança da matriz energética brasileira, e seguimos combatendo as termelétricas a carvão, gás, petróleo e o FRACKING. Ativistas climáticos estão ganhando as batalhas por um futuro justo e renovável, e juntos vamos derrotar a indústria fóssil”, garante a diretora da 350.org Brasil e América Latina, Nicole Figueiredo de Oliveira.

Para saber mais da programação em Umuarama e sobre a ações basta acessar https://liberte-se.org/ .

Umuarama está unida contra o FRACKING

Segundo o fundador da COESUS e coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org, Eng. Dr. Juliano Bueno de Araujo, “estamos sensibilizando e conquistando o apoio de diversos segmentos sociais, empresariais e autoridades de Umuarama e região para juntos lutarmos contra o FRACKING”.
Juliano afirma ainda que no Paraná, o foco da campanha LIBERTE-SE e a Campanha Nacional NÃO FRACKING BRASIL é o fraturamento hidráulico, tecnologia altamente poluente para extração de gás de xisto do subsolo, conhecida mundialmente como FRACKING. “O Brasil corre o risco de ter suas reservas de água de superfície e subsolo , as áreas de produção agrícolas e pecuária, bem como nossas cidades e reservas florestais contaminadas pelos produtos químicos usados no FRACKING, muitos deles cancerígenos e até radioativos. Estamos alertando a população que o Paraná está na rota do Fracking”, ressalta.

Além da ação da Cáritas Brasileira em Umuarama, representada por Reginaldo Urbano Argentino, a mobilização também pretende conquistar a adesão dos sindicatos rurais e de trabalhadores, empresários, estudantes e professores, clubes de serviços como Rotary e Lions e autoridades. Diversas palestras, reuniões em paróquias e atividades culturais estão sendo organizadas, inclusive um flash mob, uma sessão de cinema e arte ativismo na quinta-feira, dia 12, a partir das 19 horas no Centro Cultural de Umuarama.

População contra o FRACKING
Em dezembro do ano passado, centenas de moradores de Umuarama e cidades da região participaram de uma audiência pública na Câmara de Vereadores para debater os riscos e perigos do fraturamento hidráulico. Agora, a cidade volta a se mobilizar contra os fósseis.


No Paraná, o foco do Movimento LIBERTE-SE DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS é o FRACKING, tecnologia altamente poluente para extração do gás de xisto do subsolo que contamina a água dos aquíferos e da superfície, solo e ar, bem como causa câncer nas pessoas e animais.

Como extensão dos impactos ambientais, FRACKING inviabiliza a agricultura e pecuária, piscicultura e qualquer outra atividade produtiva e atinge diretamente a economia da região onde este método não convencional acontece.122 cidades já tiveram o subsolo vendido em leilão da Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) realizado em 2013, atingindo amplamente o Oeste, Sudoeste e a região central. O temor agora é que mais 172 cidades, incluindo Maringá e Londrina, também entrem na rota do FRACKING e tenham o subsolo vendido no próximo leilão da ANP.

 

Foto: COESUS/350.org Brasil

Leave a Reply

Your email address will not be published.