Usinas de gás natural emitem até 120 vezes mais metano do que anteriormente estimado

 

 

Pesquisadores da Purdue University e Environmental Defense Fund concluíram em um estudo recente que as usinas de gás natural liberam 21 a 120 vezes mais metano do que as estimativas anteriores

 

Publicado na Revista Environmental Science and Technology, o estudo também constatou que, para as refinarias de petróleo, as taxas de emissão foram 11-90 vezes mais do que as estimativas iniciais. O gás natural, muito conhecido como uma alternativa mais limpa e mais favorável ao clima para a queima de carvão, é obtido nos EUA principalmente através do controverso método de perfuração horizontal conhecido como fraturamento hidráulico (fracking).

Os cientistas mediram as emissões atmosféricas em três usinas a gás natural e três refinarias em Utah, Indiana e Illinois, usando o laboratório de química da Purdue, o Laboratório Aerotransportado de Pesquisa Atmosférica (ALAR). Eles compararam seus resultados com dados do Programa de Relatórios de Gases de Efeito Estufa da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA).

 

Usina de gás natural. Crédito: Wikimedia Commons

 

“As usinas de energia usam atualmente mais de um terço do gás natural consumido nos EUA e o volume usado deve aumentar à medida que as forças do mercado impulsionam a substituição do carvão por um gás natural mais barato”, disse o Fundo de Defesa Ambiental (EDF). A organização sem fins lucrativos encomendou e financiou o estudo com uma bolsa da Fundação Afred P. Sloan.

“Mas se o gás natural vai cumprir sua promessa, as emissões de metano devido a vazamentos, ventilação e queima devem ser mantidas no mínimo”.

 

Principais Fontes de Emissões

O metano é um gás de efeito estufa mais potente do que o dióxido de carbono, mas trava a atmosfera por um tempo mais curto, com um efeito de aquecimento global de 84-87 vezes o do CO2 durante um período de 20 anos, de acordo com a EPA.

“[O metano é] um combustível melhor ao redor, contanto que você não o derrame”, Paul Shepson, um professor de química atmosférica em Purdue, disse em um comunicado de imprensa. “Mas não é preciso muito vazamento de metano para arruinar todo o dia se você se preocupa com a mudança climática.”

Os pesquisadores foram cuidadosos em diferenciar entre as emissões relacionadas à combustão de gás natural versus vazamento, sendo esta última a principal fonte de emissões de metano neste pequeno estudo preliminar. Estimativas anteriores de emissões de metano foram relatadas ao EPA pelas próprias instalações e restringidas ao que saiu da chaminé, o que significa que excluíram vazamentos de equipamentos como turbinas a vapor e compressores.

O estudo foi feito como parte da série de estudos em andamento da EDF que mede as emissões de metano e vazamentos em toda a cadeia de suprimentos de gás natural dos EUA. A EDF disse em seu comunicado de imprensa que os cientistas da Purdue planejam acompanhar a pesquisa em refinarias de petróleo adicionais e usinas de energia. Purdue afirmou em um comunicado de imprensa que o apoio para a pesquisa também veio da National Science Foundation (NSF).

O gás natural recentemente eclipsou o carvão como uma fonte de energia alimentando a rede elétrica dos EUA, de acordo com dados publicados pela Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA).

“Durante décadas, o carvão tem sido a principal fonte de energia para gerar eletricidade nos Estados Unidos. A EIA Short-Term Energy Outlook (STEO) agora prevê que 2016 será o primeiro ano em que a geração a gás natural excede a geração de carvão nos Estados Unidos em uma base anual “, explicou o EIA em março de 2016”. Geração de gás natural primeiro superou a geração de carvão em uma base mensal em abril de 2015, e as partes da geração para o carvão e o gás natural eram quase idênticas em 2015, cada um que fornece aproximadamente um terço de toda a geração de eletricidade.

 

Desmontagem de Regulamentos de Metano

Os resultados da pesquisa de Purdue-EDF foram publicados na mesma semana que o presidente Donald Trump propôs cortes maciços ao EPA, que incluiria um corte de 23% à divisão da execução em centrais de gás e refinarias de óleo. O governo Trump também anunciou suas intenções de deter a regra de emissões de metano proposta pelo ex-presidente Barack Obama para o gás situado em terras públicas dos EUA e já reverteu o pedido de informações da EPA sobre dados de emissões de metano dos produtores de petróleo e gás nos EUA.

Como o site DeSmog relatou anteriormente, Carl Icahn, o magnata de negócios que entrevistou e vetado atual Administrador da EPA Scott Pruitt, possui refinarias petroquímicas com uma história documentada de exceder as taxas de emissões admissíveis estabelecidas pela EPA. Além de ser um dos principais doadores da campanha de Trump, Icahn também atua como conselheiro sobre questões regulatórias para a Casa Branca de Trump, uma posição definida para beneficiar suas extensas participações empresariais e levantar preocupações sobre conflitos de interesse.

 

Fonte: Desmogblog.com

Tradução: Silvia Calciolari

 

 

 

Compartilhe!
Facebooktwittergoogle_pluspinterestmail

Siga-nos!
Facebooktwittergoogle_pluspinterestrssyoutubevimeoinstagrammail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *